Noite Suja

Tá fazendo frio nesse lugar. Essa porra de cidade que não se acha um cigarro de gente.
Eu te disse aquela vez que não queria vir pra cá. Aquela vez quando viramos a noite, lembra?
Como não lembra? Só porque viramos mais noites que você pode lembrar não quer dizer que aquela não tenha sido especial porra.

Ah, ve se te enxerga. Quando eu quis você, você não me quis e agora eu to aqui nessa noite suja, ligando pra você no meio da madrugada e congelando. Eu sempre quis esse frio, mas ta fazendo outro frio nesse lugar, esse lugar de merda. Um frio que odeio. O frio que eu te perdi.

Conseguiu lembrar da noite? Quando eu fui feliz, você foi ruim. Sabia. Eu sabia que você sabia. Desculpe, minha voz falhou, tudo se apagou e eu me perdi. Me perdi quando perdi você e você fez que não me viu e me desprezou. Me desprezava até quando dizia aquelas frescurinhas que você tinha. Puta frescurinha de mulherzinha dizendo que nao vivia sem mim. Que ironia.

Acordei esses dias numa outra madrugada. Por causa desse frio desgraçado que eu achei que gostaria. Tava passando aquele filme de um cara que gosta de uma sapatão que não é sapatão e que também gosta dele. Vimos uma madrugada dessas lembra? Puta que pariu, você não lembra de merda nenhuma. Parece até que eu vive tudo isso sozinho antes de te perder.

Ta fazendo frio nesse lugar. Cade meu maço de cigarros? Vou comprar mais quando achar uma cerveja que preste.

(…) sozinho neste apartamento no meio de uma cidade escassa de dragões, repito e repito este meu confuso aprendizado para a criança-eu-mesmo sentada aflita e com frio nos joelhos do sereno velho-eu-mesmo:

Dorme, só existe o sonho. Dorme, meu filho. Que seja doce.
Não, isso também não é verdade.

Play it, Sam

Você lá todo indignado, contando as mazelas e as pessoas te dão o mesmo conselho que o Chico: “Depois de te perder, te encontro, com certeza. Talvez num tempo da delicadeza, onde não diremos nada.”

E você pensa, As Times Goes By, que nem o Bogart.

Primeiro passo

Nunca escrevi. Não assim. A única coisa que escrevi foi pra uma pessoa só. Não ficou ruim… ela gostou pelo menos, pelo menos eu acho. É, ela gostou.

Ela também escreveu pra mim. Ou pra música. Ah é, o que eu escrevi foi uma música, sem ter o menor talento pra música.


Tá, é justo mostrar a música. Afinal é a única coisa que já escrevi.

a garçonete dos olhos claros
que desfila meu whisky
com sapatos novos de salto alto

caminha vermelho por onde passa
enquanto ela sorri pra todos
colorindo o botequim da praça

olhando pra ti nao se sabe
por onde andas depois das dez
se amas um marido ou procura um revés

traz mais uma dose
fecha essa conta
vem, foge comigo
diz que ta pronta

traz mais uma dose
fecha essa conta
vem, foge comigo
diz que ta pronta

Com certeza ela foi ótimo primeiro passo. Aqueles passos, vermelhos.